Glück Project

Uma investigação sobre a felicidade

Ich habe mein iPhone in die dreckigen Gewässer des Tietê geworfen

Ich habe mein iPhone in die dreckigen Gewässer des Tietê geworfen (Traduziram um conto meu pro alemão)

Author: Fred Di Giacomo/ Translation: Patricia Sojka (Note for Brazilian readers/Nota para os leitores brasileiros: no final de 2014, a tradutora brasileira radicada na Alemanha Patricia Sojka descobriu meu conto “Joguei meu iPhone nas águas sujas do Tietê” (que já foi publicado aqui no Glück) e me pediu para traduzi-lo para o alemão. Achei que tinha tudo a ver com o Glück, este projeto que falou bastante da minha temporada em Berlim. Ela me mandou o trabalho pronto em 2015,…

Continuar lendo

gluck-capa-livro

Dia 17/03 vai rolar o lançamento de “Felicidade tem cor” – primeiro livro do Glück Project

Hey, amigos e leitores do Glück, estamos muito orgulhosos de convidá-los para o lançamento do nosso primeiro livro – o infantil “Felicidade tem cor”, publicado em parceria com a Green by Missako e a editora Jaboticaba. O lançamento vai ser dia 17/03 (quinta-feira), às 18:30h, no Shopping JK Iguatemi (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041). O livro conta história dos amigos Benjamin e Alice e seu aprendizado de que a felicidade está nas pequenas coisas. Ele começa preto e branco, quando Benjamin…

Continuar lendo

12038715_731111947020023_8315683029973731070_o

12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir música e racismo no Brasil.

Semana passada postei um artigo no Medium sobre como o rock dos anos 80 ajudou a deixar nossa música pop brasileira mais branca, machista e careta. A repercussão foi muito maior do que eu imaginava, com o texto atingindo mais de 250 mil views em 3 dias, sendo republicado em sites como o Geledés — Instituto da Mulher Negra, HuffPost Brasil e até o roqueiro Whiplash. Muita gente pelo Brasil compartilhou, debateu, curtiu e xingou muito no Twitter. Lendo as centenas de…

Continuar lendo

SeuJorge3

Roqueiros brancos pensaram que um texto havia sido escrito pelo Seu Jorge e passaram vergonha

por Fred Di Giacomo Há 15 dias um texto que escrevi sobre “como o rock dos anos 80 deixou a música brasileira mais branca e careta” viralizou aqui no Medium e foi visualizado mais de 260 mil vezes em poucos dias, além de ser republicado em vários sites. Um desses sites foi o Whiplash, que se define como o mais importante veículo de comunicação sobre Rock e Heavy Metal do Brasil. 12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir…

Continuar lendo

seu-jorge-Guilherme-Santana-5320

Como o rock nacional dos anos 80 deixou a música brasileira mais branca e careta

Phil Anselmo (ex-vocalista do Pantera) fez uma saudação nazi e chocou o mundo gerando uma série de discussões sobre o heavy metal ser ou não um gênero musical reaça. Me lembrou de uma entrevista do Seu Jorge que dizia que “rock não é um gênero pro negro”. Lembro que depois dessa entrevista, muitos brancos quiseram ensinar pro negro Seu Jorge como o rock havia sido criado por negros como Chuck Berry e Little Richard e eletrificado pelo negro Jimi Hendrix….

Continuar lendo

filho-ultrassom-gluck

Carta ao filho

por Fred Di Giacomo Filho, hoje é meu aniversário, mas pode virar seu aniversário também. Ensimesmado na barriga da sua mãe você já passou das 40 semanas e não nos deu o prazer de sua graça. Há nove meses acompanhamos você crescendo devagar em ultrassons 3D e consultas de pré-natal. Há nove meses fantasiamos como será a cor do seu cabelo, o timbre do seu choro e suas manias e gostos pessoais. Deu um trabalhão colocar a vida e a…

Continuar lendo

karin-ulysses (1)

Um livro, um filho, uma árvore

por Karin Hueck Vou dar à luz nos próximos dias e ouvi de muita gente com filhos que os livros acabaram esquecidos nos primeiros meses de bebê. Como não consigo imaginar minha vida sem eles (os livros, no caso; sem filhos tenho vivido até agora), tratei de ler o maior número possível de páginas em 2015 – quase todas nas madrugadas insones causadas pelo barrigão. Vi muitas auroras surgirem ao lado do meu Kindle no ano passado. Dos 61 livros…

Continuar lendo

Fred Di Giacomo e os livros que leu em 2015

74 livros que li (e me fizeram uma pessoa melhor), em 2015 – por Fred Di Giacomo

por Fred Di Giacomo Muita gente reclamou de 2015 e, para mim, este foi um ano um pouco estranho mesmo, um pouco morno, em que trabalhei bastante, plantei bastante coisa, esperei (inclusive um filho que ainda não nasceu, heheh) e estruturei a vida para ter um 2016 com muitos acontecimentos. Foi um ano de semear e esperar, não tão rico de acontecimentos como 2013 ou 2014, quando comecei o Glück. Mas de uma coisa não posso reclamar: li mais do…

Continuar lendo

Arte: Renata Miwa

Retrospectiva: os 8 textos do Glück mais acessados em 2015

Hey, pessoal, como foi 2015 para vocês? Para nós do Glück foi um ano de espera, aprendizado e de plantar sementinhas que esperamos que floresçam nos próximos anos. Sim, foi um ano de cultivo e a semente mais importante que plantamos em 2015 foi nosso filhinho que deve nascer em janeiro. Mais que qualquer texto que escrevemos ou livro que lemos, isso mudou radicalmente nossa rotina, nossos planos e nossa perspectiva do que é uma vida feliz. Neste ano também…

Continuar lendo

02722e8404d9e8dd2ec003b249db0ce3d05bda19_1600x1200

De onde vem a felicidade?

Por Priscila Bellini Talvez você consiga encontrá-la no mapa, talvez em uma animação de dois minutos. Só que, por trás disso tudo, a fonte comum seria a gratidão. É o que defende o monge David Steindl-Rast, em sua palestra sobre a atitude de ser grato. E a base vem da nossa vida cotidiana, já que a tal gratidão só dá as caras em situações determinadas: quando nós presenciamos algo valioso e que, ao mesmo tempo, essa oportunidade é dada. Não…

Continuar lendo

anterior