Glück Project

Uma investigação sobre a felicidade

2013

O que você quer mudar na sua vida no ano que vem?

Neil Gaiman, escritor best-seller e pai do clássico quadrinho “Sandman”, foi convidado para fazer um inspirador discurso aos formandos da The University of the Arts. Em sua fala sobre trabalho e criatividade, Gaiman revelou nunca ter planejado sua carreira, nunca ter tido um plano para ela. Ele, no máximo, elaborou uma lista, aos 15 anos, com os trabalhos que gostaria de fazer ao longo da vida: escrever um livro infantil, escrever um quadrinho, roteirizar um episódio da série “Doctor Who”,…

Continuar lendo

O que podemos aprender sobre felicidade e a vida com os aborígenes da Austrália?

O texto de hoje foi escrito pela jornalista Anita Martins, uma das responsáveis pelo projeto Originals. Esse projeto procura desenvolver uma série de vídeos que vai difundir a sabedoria e a história dos primeiros habitantes da terra. A principal pergunta que querem responder é “O que podemos aprender com os indígenas?”  A primeira edição será sobre os aborígenes da Austrália. Anita e seus amigos precisam arrecadar ainda 16 mil reais para colocar o projeto rodando. Você pode contribuir com essa…

Continuar lendo

A importância de ser patético

O texto desta semana é do Alexandre Versignassi, autor do livro Crash, do blog de mesmo nome, e redator-chefe da Superinteressante. É um relato pessoal, sobre um pequeno grande episódio da sua vida – que ele gosta de contar apaixonadamente para quem o conhece. É também um texto de amor, sobre a importância de sonhar e sobre as recompensas que mesmo as histórias mais desencontradas nos dão. Obrigada, Versi, pela primeira participação especial do Glück.   “Idiota”. “Mula”. “Trouxa”. “Otário”……

Continuar lendo

O dia em que descobri que era preconceituoso

por Fred Di Giacomo Meus pais me educaram ensinando que o preconceito era um dos venenos que cegavam o mundo. Lembro quando um colega branco de escola pública, no primário, falou para outro colega negro que “o sonho dele deveria ser branco, igual ao Michael Jackson”. Eu, com uns 8 anos, achei aquilo absurdo. “Como você pode falar uma coisa assim tão… RACISTA?” Mas o menino branco parecia não ver problema naquilo: “Todo negro quer ser branco”, explicou tranquilamente. “É…

Continuar lendo

Por que você deve acreditar em mitos

Este não é um post religioso. Em vez disso, é um texto que fala sobre as mais importantes questões humanas – quem somos, de onde viemos, para onde vamos – do ponto de vista histórico e filosófico. Quem o escreveu foi a inglesa Karen Armstrong, uma ex-freira que abandonou o convento para estudar a história das religiões, em um pequenino livro sem tradução no Brasil: “Uma Breve História do Mito“. Esta é a introdução traduzida e adaptada, um resumo que…

Continuar lendo

Ele escolheu morar na rua e encontrou o sentido da vida

por Fred Di Giacomo Nascido numa família de classe média, Eduardo Marinho tinha uma vida confortável e abastada. Ele passou num concurso do Banco do Brasil, depois entrou na escola militar e, finalmente, foi aprovado na faculdade de direito – mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para buscar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e dormir em cima de cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade. Os questionamentos de Eduardo começaram ainda na infância,…

Continuar lendo

Ele escolheu morar na rua e encontrou o sentido da vida

por Fred Di Giacomo Nascido numa família de classe média, Eduardo Marinho tinha uma vida confortável e abastada. Ele passou num concurso do Banco do Brasil, depois entrou na escola militar e, finalmente, foi aprovado na faculdade de direito – mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para buscar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e dormir em cima de cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade. Os questionamentos de Eduardo começaram ainda na infância,…

Continuar lendo

Afeganistão: lugar de gente feliz?

por Karin Hueck Mauricio Horta é jornalista e inquieto. Fez duas viagens de quase um ano ao redor do mundo. Na primeira, trabalhou em uma fábrica de computadores no Japão e estudou mandarim na China, para depois seguir para o Paquistão, o Irã e a Turquia. Na segunda, começou na Califórnia, mas voltou à Ásia: chegou ao pé do Monte Everest, morou três meses de favor na casa de um casal gay na Índia, mergulhou nos corais da Indonésia, conferiu o…

Continuar lendo

A felicidade do trabalho manual (Ou por que sua avó estava certa em mandar você lavar uma pia cheia de louça)

por Fred Di Giacomo Muita gente escreve sobre os prazeres de andar de bicicleta. Assim como escrevem sobre os prazeres de correr. Eu, mesmo, redescobri esse pequeno prazer recentemente. Esportes, confesso, não são meu forte, mas andar de bicicleta alia a praticidade de um meio de locomoção limpo com os benefícios de uma atividade física, numa curva de aprendizagem sem muito sofrimento inicial. Não é sobre isso que quero falar hoje. (Breve parênteses: minha bicicleta quebrou esta semana. A corrente, velha…

Continuar lendo

Quando a alegria se vai (relato de uma depressão com final feliz)

por Karin Hueck Este é um post traduzido do ótimo Hyperbole and a Half, sobre depressão. “Poxa, gente, mas um post sobre depressão no meio da investigação sobre felicidade?”, vocês vão dizer. Mas insisto que este aqui faz sentido – e tem um final feliz. É um lembrete daquela velha máxima das nossas avós: “você só valoriza as coisas quando as perde”. Com a felicidade é a mesma coisa. Podemos não estar tão felizes o tempo inteiro – mas depressão, depressão…

Continuar lendo

anterior