Glück Project

Uma investigação sobre a felicidade

2017

Réquiem para uma investigação sobre a felicidade – parte 3 (trabalho & família)

Postado em 5 de março de 2017

por Fred Di Giacomo. Ao longo dos mais de 3 anos de vida deste blog, um dos temas que mais apareceram nas questões dos nossos leitores foi a relação entre trabalho e felicidade. Nem sempre é possível trabalhar com o que se ama. Mas é possível buscarmos um trabalho que nos traga algum tipo de sentido ou satisfação. Segundo Roman Krznaric, autor de “Como arrumar o trabalho da sua vida”, essa satisfação pode vir de cinco fontes: 1)Dinheiro (cadeia hedonista)…

Continuar lendo

Réquiem para uma investigação sobre a felicidade – parte 2 (sobre dinheiro e o desafio de viver no presente)

por Fred Di Giacomo Para encerrar nossa investigação sobre a felicidade, me dispus a compilar meus aprendizados em três posts. Vamos começar o segundo deles atacando a clássica dúvida “Dinheiro compra felicidade?”. Para isso, convido dois grandes filósofos para discorrer sobre esse tema fundamental da existência: Parece que Mano Brown e Sêneca concordam quando o assunto é “dinheiro vs felicidade”, mas o que a ciência diz sobre essa grande questão da humanidade? Uma pesquisa de Princeton, de 2010, conduzida pelo economista vencedor do Nobel…

Continuar lendo

“Trabalhos sem amor, trabalhos tediosos (…) — essa é uma das mais dolorosas misérias da condição humana”, Wislawa Szymborska

por Wislawa Szymborska, tradução Carlos Alberto Bárbaro Dizem que a primeira frase de qualquer discurso é sempre a mais difícil. Bem, agora ela já ficou para trás. Embora algo me diga que as frases por vir — a terceira, a sexta, a décima e assim sucessivamente, até a última linha — serão tão difíceis quanto, já que é suposto que eu tenha que falar sobre poesia. Falei muito pouco sobre o assunto, quase nada, na verdade. E sempre que isso aconteceu, eu…

Continuar lendo

55 livros que li (e foram meus professores) em 2016

por Fred Di Giacomo Em 2016, meu grande professor foi meu filho Benjamin que nasceu em janeiro e mudou minha vida. Ser pai foi um dos acontecimentos mais profundos da minha existência e uma escola que me fez rever muitas das minhas certezas. Nos primeiros meses de vida do Benjamin não consegui ler muito, mas como passei o ano como frila/autônomo trabalhando muito em casa, consegui aproveitar as madrugadas e manhãs em que ele dormia, para ler alguns clássicos (sigo…

Continuar lendo