A felicidade segundo Hitchcock

Por Priscila Bellini

Nem só de cenas de tirar o fôlego vivia o mestre do suspense. Em uma de suas entrevistas, Hitchcock explica qual é a sua definição de felicidade:

É um cenário bem simples, descrito pelo diretor:

»Um horizonte limpo — nada para se preocupar, só coisas criativas e nada destrutivo. Eu não consigo suportar brigas, não consigo suportar esses sentimentos entre as pessoas — eu acho que o ódio é um desperdício de energia, e que nada disso é produtivo. Eu sou muito sensível, uma palavra rude dita por uma pessoa próxima me magoa por dias. Sei que somos apenas humanos e que não podemos evitar essas emoções ditas negativas. Mas quando tudo isso é removido e você pode olhar para frente e ver um caminho livre, em que você pode criar algo — este é o quão feliz eu poderia querer ser.»

=> Este post te ajudou? Apoie o Glück!
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:


Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):