Glück Project

Uma investigação sobre a felicidade

brasil

violência

Tudo que você sabia sobre a violência no Brasil estava errado

Postado em 5 de maio de 2016

por Fred Di Giacomo, originalmente postado na Elástica. Nilópolis, Baixada Fluminense. Eram 5:58 da manhã, quando o HB20 que levava Haissa Vargas Motta para casa, passou a ser perseguido por homens armados. A jovem de 22 anos estava sentada no banco de trás do carro branco. “Dormiu, lek! Perdeu um pagodão”, era a mensagem que acabara de mandar para a prima Mayara. Enquanto um dos perseguidores dirigia veloz, o outro disparava 10 tiros de fuzil e gritava para os amigos…

Continuar lendo

12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir música e racismo no Brasil.

Semana passada postei um artigo no Medium sobre como o rock dos anos 80 ajudou a deixar nossa música pop brasileira mais branca, machista e careta. A repercussão foi muito maior do que eu imaginava, com o texto atingindo mais de 250 mil views em 3 dias, sendo republicado em sites como o Geledés — Instituto da Mulher Negra, HuffPost Brasil e até o roqueiro Whiplash. Muita gente pelo Brasil compartilhou, debateu, curtiu e xingou muito no Twitter. Lendo as centenas de…

Continuar lendo

Roqueiros brancos pensaram que um texto havia sido escrito pelo Seu Jorge e passaram vergonha

por Fred Di Giacomo Há 15 dias um texto que escrevi sobre “como o rock dos anos 80 deixou a música brasileira mais branca e careta” viralizou aqui no Medium e foi visualizado mais de 260 mil vezes em poucos dias, além de ser republicado em vários sites. Um desses sites foi o Whiplash, que se define como o mais importante veículo de comunicação sobre Rock e Heavy Metal do Brasil. 12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir…

Continuar lendo

Como o rock nacional dos anos 80 deixou a música brasileira mais branca e careta

Phil Anselmo (ex-vocalista do Pantera) fez uma saudação nazi e chocou o mundo gerando uma série de discussões sobre o heavy metal ser ou não um gênero musical reaça. Me lembrou de uma entrevista do Seu Jorge que dizia que “rock não é um gênero pro negro”. Lembro que depois dessa entrevista, muitos brancos quiseram ensinar pro negro Seu Jorge como o rock havia sido criado por negros como Chuck Berry e Little Richard e eletrificado pelo negro Jimi Hendrix….

Continuar lendo

26 pequenos gestos deles que vão fazer elas se apaixonarem

por Karin Hueck 1. Quando a moça e seu namorado estão num restaurante e o garçom traz a conta para ela. 2. Quando o rapaz no metrô dá um passinho para trás para a menina passar. 3. Quando o arquiteto de um prédio inclui no projeto trocadores de fralda no banheiro feminino E no masculino. 4. Quando o gerente de hipermercado decide não fazer uma promoção de aspirador de pó para o dia das mães. 5. Quando a moça e seu amigo estão…

Continuar lendo

Conheça Rui – o motorista de ônibus que distribui sorrisos, histórias e bom-humor na linha 857R

por Gustavo Ribeiro Terminal Campo Limpo. 13h12. Sol ardendo forte. Cansando, suado e com fome, eu chegava à zona sul da capital paulista a procura de um motorista: Rui Alves (uma verdadeira celebridade na região). No caminho, eu ia observando aquele trecho da cidade e rascunhando a pauta para entrevista-lo. No fundo eu já sabia que estava a caminho de um bate-papo, apenas isso. Nos encontramos pela primeira vez na segunda-feira; ele como motorista, e eu como passageiro. Na ocasião, eu voltava de uma sessão de…

Continuar lendo

Dizem que as mulheres são loucas

Dizem que são loucas

por Karin Hueck Apenas mulheres são loucas. Homens são diversas outras coisas – “impulsivos”, “bravos”, “confusos” – mas nunca loucos. “Louca” é aquele tipo de adjetivo que parece funcionar apenas no feminino, e todo mundo sabe citar na ponta da língua a vez em que essa ou aquela mulher fez papel de maluca. A mulher que chorou demais. A que brigou com o marido no restaurante. A que tirou satisfação com o funcionário no trabalho. A que – o horror,…

Continuar lendo

Por tão poucos terem tanto é que tantos têm tão pouco

“Se você não aceitar um trabalho que te sacrifique, você já está sendo revolucionário”, Eduardo Marinho

O artista de rua Eduardo Marinho se tornou um pensador e palestrante famoso na internet por suas reflexões sobre dinheiro, trabalho, liberdade e felicidade. Nascido numa família de classe média, Eduardo tinha uma vida confortável e abastada, mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para buscar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e dormir em cima de cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade. Na entrevista abaixo ele fala sobre a desigualdade no…

Continuar lendo

Ava DuVernay diretora de cinema

Quatro projetos incríveis para apoiar mulheres negras

por Priscila Bellini Quantas mulheres negras você já viu levar troféus em premiações? Pode ser qualquer área, independe do gosto do freguês – vai da competição de engenharia à de melhor atriz. Por trás dessa falta de visibilidade, não está a falta de competência, não. A explicação para o problema veio no discurso da atriz americana Viola Davis (de How to Get Away With Murder) que levou o Emmy deste ano na categoria de Melhor Atriz em drama. “A única…

Continuar lendo

Professor Rafael Procópio

Rafael Procópio, nascido e criado na favela, se tornou o professor de Matemática mais famoso do Brasil

por Fred Di Giacomo Conheci o professor Rafael Procópio quando me convidaram para participar de um projeto muito especial – o aplicativo Edu.App, criado pelo Google junto com a Fundação Lemann em uma sessão do projeto Mesa & Cadeira. A missão do aplicativo era organizar os vídeos educativos presentes no Youtube para ajudar alunos de todo Brasil a mandar bem no Enem e, consequentemente, entrar em uma universidade garantindo-lhes um futuro digno. Procópio era o cara certo para ajudar na…

Continuar lendo

anterior