Glück Project

Uma investigação sobre a felicidade

feminismo

“Felicidade e liberdade não existem, o que existe é intensidade”, Viviane Mosé

Postado em 11 de maio de 2016

“Ser gostosa não é “ser magra, ter a bunda dura e peito grande”. Ser gostosa é ser sensual. E ser sensual é querer comer e ser comido pela vida. Quanta vida cabe em você?”, Viviane Mosé Nesse vídeo curto, de 16 minutos, a filósofa, psicóloga e escritora Viviane Mosé fala na casa TPM sobre ser mulher, sobre a educação no Brasil e, até, sobre nosso assunto favorito: a felicidade. -Vale a pena largar tudo em busca da felicidade? – Leve…

Continuar lendo

12 depoimentos que mostram que vale a pena discutir música e racismo no Brasil.

Semana passada postei um artigo no Medium sobre como o rock dos anos 80 ajudou a deixar nossa música pop brasileira mais branca, machista e careta. A repercussão foi muito maior do que eu imaginava, com o texto atingindo mais de 250 mil views em 3 dias, sendo republicado em sites como o Geledés — Instituto da Mulher Negra, HuffPost Brasil e até o roqueiro Whiplash. Muita gente pelo Brasil compartilhou, debateu, curtiu e xingou muito no Twitter. Lendo as centenas de…

Continuar lendo

Um livro, um filho, uma árvore

por Karin Hueck Vou dar à luz nos próximos dias e ouvi de muita gente com filhos que os livros acabaram esquecidos nos primeiros meses de bebê. Como não consigo imaginar minha vida sem eles (os livros, no caso; sem filhos tenho vivido até agora), tratei de ler o maior número possível de páginas em 2015 – quase todas nas madrugadas insones causadas pelo barrigão. Vi muitas auroras surgirem ao lado do meu Kindle no ano passado. Dos 61 livros…

Continuar lendo

O machismo de todos os dias (distribuído em dois minutos)

Por Priscila Bellini Você já aprendeu aqui no Glück o quanto o machismo está nas pequenas coisas, e como lutar contra ele é uma atividade diária. E, claro, essa discriminação não acontece só quando pressupomos que uma mulher é louca ou está exagerando, ou quando fazemos aquela piada nitidamente machista na mesa de bar. E o vídeo lançado pelo Huffington Post esta semana trata exatamente disso: são 48 frases machistas que as mulheres ouvem ao longo da vida, distribuídas em…

Continuar lendo

A internet mais amiga das mulheres

Por Priscila Bellini Nos últimos tempos, você deve ter reparado que diversas hashtags surgiram na rede e deram visibilidade a violências enfrentadas por mulheres, como a #MeuAmigoSecreto e a #MeuPrimeiroAssédio. E essas situações não ficam restritas ao ambiente offline, infelizmente. Pensando nisso, a ONG Think Olga criou um site para orientar mulheres que são atacadas na web e não sabem como denunciar os agressores. Com a iniciativa #MandaPrints, dá para seguir um passo a passo e encaminhar as ocorrências para…

Continuar lendo

Pare de mandar as mulheres sorrirem

Por Priscila Bellini Você deve se lembrar da campanha Chega de Fiu Fiu, organizada pelo coletivo feminista Think Olga (com a participação da Karin, aqui do Glück). Foi o estopim para que, no Brasil, a gente pensasse no assédio nas ruas e nas populares cantadas. Quando os resultados da pesquisa foram lançados, eu me lembro de ficar um pouco chocada, porque aquele assunto parecia meio escondido. Digo, quem nunca tinha ouvido um comentário grotesco na rua? Quem nunca tinha ficado…

Continuar lendo

26 pequenos gestos deles que vão fazer elas se apaixonarem

por Karin Hueck 1. Quando a moça e seu namorado estão num restaurante e o garçom traz a conta para ela. 2. Quando o rapaz no metrô dá um passinho para trás para a menina passar. 3. Quando o arquiteto de um prédio inclui no projeto trocadores de fralda no banheiro feminino E no masculino. 4. Quando o gerente de hipermercado decide não fazer uma promoção de aspirador de pó para o dia das mães. 5. Quando a moça e seu amigo estão…

Continuar lendo

Dizem que as mulheres são loucas

Dizem que são loucas

por Karin Hueck Apenas mulheres são loucas. Homens são diversas outras coisas – “impulsivos”, “bravos”, “confusos” – mas nunca loucos. “Louca” é aquele tipo de adjetivo que parece funcionar apenas no feminino, e todo mundo sabe citar na ponta da língua a vez em que essa ou aquela mulher fez papel de maluca. A mulher que chorou demais. A que brigou com o marido no restaurante. A que tirou satisfação com o funcionário no trabalho. A que – o horror,…

Continuar lendo