Como ganhar dinheiro com seu blog?

Postado em 12 de maio de 2015

por Fred Di Giacomo

Existiu o mito do ouro que moveu pioneiros para o oeste americano no final do século XIX e para a Serra Pelada brasileira no meio do século XX. Existiu, também, o mito das descobertas fantásticas e das ˜índias de vergonhas limpinhas˜ que moveu aventureiros para “descobrir” as Américas. Hoje existe o mito do empreendedor que constrói uma engenhoca milionária na sua garagem e vira bilionário como Bill Gates e Steve Jobs. Eu me encantei por outro mito: o dos blogueiros que viviam de blogs.

(Se você quiser pular direto para a parte em que dou dicas de como fazer seu blog dar dinheiro, corra lá pro final na seção “Como ganhar dinheiro com seu blog de viagem”)

***
Como ganhar dinheiro com um blog? Essa é uma pergunta que me passou pela cabeça desde que criei meu primeiro blog “sério” o Punk Brega, em 2006. Eu tinha passado anos alimentando com entrevistas e resenhas o Kaos, um site punk, construído a base de Dreamweaver e Front Page. Já era um grande avanço em relação aos fanzines xerocados que eu tocava desde 1997. Esses fanzines chegaram a arrebatar meia dúzia de patrocinadores do pulsante comércio da pequena Penápolis, que rendiam um dinheiro de pinga e bancavam a impressão de 150 cópias xerocadas da coisa. Quando a internet comercial apareceu e, pouco depois, as plataformas de publicação de blogs, um mundo mais fácil se abriu, onde você poderia escrever para milhares de pessoas. Em breve, começaram as notícias fantásticas de pessoas que viviam de seus próprios blogs,  numa espécie de sonho do “faça você mesmo e ainda ganhe um troco com isso”. Quando me mudei para São Paulo para fazer o Curso Abril de Jornalismo, a sensação que eu tinha é que eu era o último jornalista a entrar numa grande empresa. Dali em diante, qualquer pessoa com o mínimo espírito empreendedor iria ter seu próprio blog e ficar rico com ele. Papel Pop, Não Salvo, Jovem Nerd, Judão e até a… Bruna Surfistinha! Os casos de blogueiros que viviam da sua produção se multiplicavam. Enquanto isso, eu, empreendedor nato, conseguira acumular míseros 50 dólares na minha conta de Google AdSense do Punk Brega, após 3 anos de postagens. O que eu estava fazendo de errado?

Glück Project
O Glück foi meu blog mais ~bem sucedido~. Em seu primeiro mês, ele emplacou o post “Vale a pena largar tudo em busca da felicidade?” e atingiu 200 mil visitas. 200 mil! Meu chefe na Abril, onde eu liderava uma equipe digital, sempre tinha me pedido um viral e ele apareceu, justamente, num projeto pessoal sem fins lucrativos. Eu não estava preparado para ganhar dinheiro com aquilo. A ideia era relatar no site meu projeto pessoal de tirar um sabático, repensar a vida e investigar a felicidade. Não tinha AdSense instalado, um esquema de assinaturas planejado ou mídia kit desenhado. Talvez por isso a coisa tenha dado certo.

Mas, é claro, o sucesso inicial do Glück abriu uma portinha na minha cabeça para a dúvida: seria possível, finalmente, tentar viver de um blog? Acontece que as coisas tinham tornado-se mais complexas nos últimos anos. Existiam milhares de blogs e o dinheiro de GoogleAds era pulverizado entre todos e disputado com empresas grandes como a própria Abril. Muito do tráfego da internet estava concentrado no Facebook, que não permitia qualquer rentabilização por parte do usuário. E a nova onda eram os vlogueiros, que faziam sucesso não com textos, mas com vídeos. Como ganhar dinheiro, então?

Resistentes à ideia de enchermos contraditoriamente um site que discutia uma vida simples com anúncios, resolvemos testar o esquema de doações e assinaturas de projetos como Oene e Brain Pickings. Nossa aposta era que quem lia e curtia o Glück toparia pagar um pouquinho de dinheiro para seguirmos postando. Apesar de algumas dezenas de pessoas aderirem, não deu muito certo. A maioria eram assinaturas de cinco reais que rendiam, no máximo, R$60 por ano. Era um ato generoso das pessoas, mas que só seria significativo se tivéssemos algumas centenas de assinantes. Não era o caso.

Resumo da história: não conseguimos fazer do Glück nossa fonte de subsistência. As assinaturas pagam a hospedagem do site (o que nos impede de ter prejuízo) e até fomos chamados para escrever algumas matérias e um livro sobre o tema – o que rendeu uma grana extra em alguns meses, mas nada recorrente e que pudesse garantir as contas do final do mês. No final de 2014, tivemos que voltar para trabalhos fixos, como jornalistas, depois de um ano sabático e um belo rolê pelo mundo. Mas a dúvida persistia: como ganhar dinheiro com seu blog?

No final de abril, a revista Viagem e Turismo organizou um bate papo com blogueiros para debater o assunto. Convidaram o pessoal dos blogs Destemperados, Melhores Destinos, 360 Meridianos e Conexão Paris para darem dicas de como eles transformaram seus blogs em fonte de renda. Para começo de conversa todos os sites existem há anos (Destemperados e Melhores Destinos há sete; o 360 Meridianos, que é o mais novo, há 3 anos e meio). Eles camelaram bastante produzindo conteúdo a valer até começarem a ganhar dinheiro com a coisa. Todos também iniciaram suas jornadas conciliando emprego fixo e blog paralelo, mas uma hora tiveram que arriscar e se dedicar 100% ao blog. Segundo Diogo Carvalho, do Destemperados, a maneira mais eficiente de começar a ganhar dinheiro é precisando de grana para pagar suas dívidas. Ele disse que um dos momentos fundamentais para ganharem dinheiro com o blog foi quando pediram demissão de seus trabalhos fixos e viram no Destemperados sua única possibilidade de renda. A necessidade faz o blogueiro, então.

Como ganhar dinheiro com seu blog de viagem?

Lembro quando conhecemos o Eme Viegas e a Jaque Barbosa do Hypness/Nômades Digitais, em Berlim. Eles nos contaram como largaram seus empregos de publicitários e passaram um ano e meio tentando fazer o Hypness virar. O dinheiro já estava acabando, quando o projeto começou a vingar. O Diogo, do Destemperados, também disse que algo importante para eles foi se associar a uma causa (pessoas normais que querem ler e escrever sobre restaurantes e comidas) e se tornar líder de um movimento. Isso cria uma rede em volta do seu projeto. Sua fonte de renda não vem só do blog, mas, também, de cadernos de culinária que editam para o jornal Zero Hora, um food truck e uma casa onde organizam eventos e cursos. Parece que na receita de todos esse projetos, o blog serve como uma vitrine e uma forma de divulgação, mas muito do dinheiro entra por meios mais “físicos”, como lojinhas, consultoria, aulas, serviços, etc

O pessoal do 360 Meridianos destaca que quem quer viver de blog precisa focar em duas palavrinhas mágicas: persistência e paciência. E que fazer o projeto com mais gente é importante para segurar os ânimos. Quando um dos blogueiros estava pensando em desistir, outro segurava as pontas. o Rafael Sette Câmara diz que existem 4 formas de ganhar dinheiro com blog:

1) Programas de afiliados (Exemplo: Booking.com, Espalhe Cultura, Submarino Viagens)
2) Venda de produtos (Ebooks, por exemplo);
3) Publicidade (banners, google adsense e posts patrocinados);
4) Serviços (Produção de conteúdeo de viagem, teste de produtos, cursos, etc)

O terceiro item, venda de produtos, inclusive, é uma das grandes fontes de renda do Conexão Paris, que já vendeu milhares de cópias do seu guia da capital francesa e também vende ingressos (em reais) para as principais atrações da cidade.
***
Ouvir a fala desses blogueiros me faz lembrar da empolgação que tive lá atrás quando acreditei no mito do “faça um blog e ganhe dinheiro com ele.” Não sei se algum dia viverei do meu próprio blog, mas acho que esse talvez, seja “o sonho da casa própria” da nossa geração. Uma geração de pioneiros que sonha em despedir o seu patrão, explorar as fronteiras de internet e encontrar o Eldorado da blogsfera sustentável.

Não deixa de ser um belo sonho.

=> Este texto te ajudou? Então apoie o Glück! 😀
Se nossa investigação e nossos textos têm sido úteis para a sua vida e  se você quer apoiar o Glück a continuar gerando conteúdo de qualidade, apoie a gente. Como?
Assine
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:




Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):




Leia também:
-Por que Berlim?
-Vale a pena largar tudo em busca da felicidade?
-Os fracassos que a gente não compartilha no Facebook