Como os livros podem salvar sua vida

Postado em 7 de abril de 2014

por Fred Di Giacomo

Antes de ter dinheiro para conhecer o mar ali do lado, no litoral paulista, eu já tinha rodado o mundo com os navios de John Silver e Gulliver, tinha ido até o coração da África com Livingstone e admirara o Mississipi em aventuras passadas com Tom Sawyer.  Antes de sonhar em entrar na universidade, eu tivera algumas aulas curtas com mestres como Camões, Darcy Ribeiro e Platão. Eu não tinha uma namorada ainda, mas achava que Romeu e Julieta tinham sido muito ansiosos em se matarem e que o primo Basílio era um tremendo sacana.

Na minha vida, tive três grandes influências: meus pais, os livros e a música – inicialmente cavalgando os três acordes do punk rock. Provavelmente, meus pais – professores – foram a mais importante de todas, porque foram eles que me estimularam a ler desde os 6 anos de idade. Seu grande tesouro era uma biblioteca recheada de livros que me rodearam por toda infância e adolescência. Livros que disputavam espaço com os móveis e pessoas em casa. Livros e seu cheiro de papel novo ou amarelado, espalhados, deitados, catalogados. Livros cheios de nomes estranhos que eu fui decifrando quando aprendi o “bê – a – bá”:  Macunaíma (seria um livro sobre índios?), Trópico de Capricórnio (um livro sobre geografia?), Guimarães Rosa (um homem com nome de flor?). O que aqueles livros grossos e sem figuras tinham de tão legal para tomar a atenção dos meus pais por tanto tempo? Entre um livro da coleção Vaga-Lume e um infantil da Ruth Rocha, fui descobrindo que livros ensinavam, divertiam e viciavam sem grandes efeitos colaterais. Aliás, o único efeito colateral dos livros era te deixar mais inteligente.

Albert Einstein lendo

Albert Einstein: o único efeito colateral da leitura é torná-lo mais inteligente

Os livros foram meu curso de inglês, meu reforço escolar, minha aula de administração, game design e cultura geral. Graças a eles eu tive assunto em mesas de bar, entrevistas de emprego e reuniões de negócio.

***
Cientificamente, já se provou que ler faz muito bem para o ser humano
. A leitura retarda suas chances de desenvolver Alzheimeir, melhora sua memória, reduz o estresse e combate a depressão. Mais que isso: ler te ajuda a escrever melhor, aguça o pensamento analítico e aumenta seu conhecimento. E você pode perder sua casa, seu dinheiro e sua família, mas nunca ninguém poderá tirar seu conhecimento. (A não ser que te façam uma lobotomia, é claro.)
***

Se você quer ficar rico ou garantir a paz mundial. Se você quer entender o sexo oposto ou apenas fazer mais sexo. Se você quer aprender uma língua ou se preparar para o mercado de trabalho, então LEIA. Leia tudo que cair na suas mãos, mas comece com leituras que te agradem. Uma das coisas que mata o prazer da leitura é dar para uma criança de 10 anos a obrigação de devorar as obras de José de Alencar. O menino abre as primeiras páginas cheias de descrição rococó de “O Guarani” e dorme no segundo parágrafo. Quando acorda, vai jogar videogame. Eu adoro videogame , mas acho que todo mundo deve reservar umas horinhas para a leitura no seu dia. E você deve começar lendo o que te dá prazer. Também não vale a pena começar com coisas muito difíceis. Encare a leitura como um jogo: a cada fase você vai evoluindo um pouco. Quando eu tinha 10 anos abri o “Grande Sertão: Veredas” e não entendi uma frase; catorze anos depois, ele se tornou um dos meus livros favoritos. Você é uma pessoa romântica? Leia “Bridget Jones”. Você acha que todos os livros só falam de playboys? Leia “Cidade de Deus”. Você gosta de aventura? Leia “Os Três Mosqueteiros”. Livros não são chatos. Acredite, existem livros sobre sexo e drogas, rock n’ roll. Existe um livro para cada pessoa, você só não achou o seu ainda.

Jimi Hendrix fazendo uma leitura rock n' roll

Jimi Hendrix fazendo uma leitura rock n’ roll

Como já disse, sugiro que você comece lendo sobre o que gosta. E, quando o que você gosta se tornar a leitura, expanda seu universo. Aí está a verdadeira magia da literatura: ela te permite viajar pelo  mundo, pelo tempo e para lugares que nunca existiram. Ela te permite ter aulas com os melhores professores do mundo. A literatura é a única universidade onde você pode aprender sobre felicidade com Aristóteles, sobre o mal com Hannah Arendt e sobre a guerra com Sun Tzu. Você pode descobrir como era a vida de uma escrava em “Um defeito de cor”, ir até o inferno com “A Divina Comédia” ou se aventurar com elfos e anões em “O Senhor dos Anéis”.

Depois que você descobrir um autor favorito, comece a criar uma “teia de autores” que se relacionam com ele. Eu descobri o Bukowski  na faculdade e adorei seu “Misto Quente”, que falava da infância e adolescência de um garoto feio, pobre e virgem de uma forma crua, sarcástica e, ainda assim, engraçada. Tive aquela mágica sensação de “escreveram essa história para mim” e terminei o livro com vontade de tomar uma cerveja com o autor. Tinham me falado que Henry Miller seguia uma linha parecida e, então, fui ler seus livros. De lá, passei por Anaïs Nin, Nietzsche, os beats e John Fante numa prazerosa sequência de descobertas de uma literatura (e filosofia) marginal. Em outras palavras: você descobriu o prazer da literatura lendo “50 tons de cinza”? Leia, na sequência,  “Crepúsculo” que inspirou o livro de E. L. James e continue com o “O morro dos ventos uivantes”, de Emily Brönte – o livro favorito de Bella e Edward. Em um ano, você estará lendo Jane Austen e vai ter se divertido muito no caminho.

Bukowski num momento de leitura íntima

Bukowski num momento de leitura íntima

Um dado interessante: ler aumenta sua empatia. Quando você lê histórias da vida de mulheres mulçumanas, meninos afegãos e angolanos alforriados; você passa a ver todas essas pessoas como… Pessoas. Você começa a enxergar a humanidade como uma (turbulenta) família. Você percebe que os “outros” são como você. Você entra na vida de pessoas com as quais você nunca conviveu e se identifica com o que existe de universal em toda vida humana: a dor, o amor, o ciúme, o medo, a inveja… Quase o mesmo efeito de viver em outro país. Por isso, como escrevi antes, eu recomendo que você comece lendo sobre o que te interessa e depois passe a ler de tudo – inclusive livros de pessoas completamente diferentes e opostas a você. Eu sempre simpatizei com autores da esquerda libertária, mas aprendi muito com conservadores como Céline, Nélson Rodrigues, Paulo Francis e Gilberto Freire. O maior símbolo da nossa direita – Reinaldo Azevedo – diz que seu autor favorito é o comunista Graciliano Ramos. Quer se arriscar? Se você é um machista convicto, leia “O Harém de Kadhafi” e depois Simone de Beauvoir. Se você é um stalinista, leia “1984” e “A revolução dos Bichos” (ambos escritos por um militante socialista, o grande George Orwell). Leia quem escreve o que você concorda e quem escreve o que você  discorda. Mesmo que você não passe a concordar, isso lhe dará melhoras argumentos em seus próximos debates. Aliás, antes de entrar em um debate no bar ou na internet, antes de emitir opiniões definitivas, antes de sentenciar alguém em seus julgamentos: leia sobre o assunto, pesquise, reflita. Existem excelentes livros sobre seu tema polêmico favorito: leia!
***

A Tatiane de Assis, leitora do Glück, nos mandou uma belíssima entrevista com o cineasta Cristiano Burlan – que foi criado na periferia de São Paulo e teve diversos membros de sua família assassinados ao longo de uma vida dura. Entre a pobreza, a marginalidade e a violência; o que mais me impressionou na entrevista de Cristiano foi seu amor pela literatura e as artes. Como a literatura salvou sua vida de um fim trágico. Aliás, arte e cultura têm operado milagres e salvado muita gente de uma morte violenta, como bem lembrou o cantor Criolo. Tem salvado tantas almas quanto as igrejas espalhadas pelo mundo. Mas a literatura não serve de apoio apenas aos marginalizados. Ela ajuda executivos a subirem em suas carreiras, viajantes a conhecerem o globo, apaixonados a fazerem declarações bonitas e deprimidos a enxergarem algum sentido no labirinto da existência.

O diretor Hitchcock devorando um livro

O diretor Alfred Hitchcock devorando um livro

Se eu tivesse só um conselho para dar para você, leitor desse blog em busca da felicidade, eu repetiria: leia. Leia tudo que você puder. Faça carteirinha na biblioteca municipal da sua cidade, se você não tem dinheiro. Troque suas roupas de marca por centenas de livros, se você é rico. Presenteie seus amigos com livros. Pesquise sobre os autores, vá a sebos, leia livros que estão gratuitos na internet. E, se você quiser bater um papo sobre literatura, estou aqui pronto pra passar uma madrugada enchendo o saco de todos falando sobre meus livros favoritos, os livros que eu preciso ler antes de fazer 40 anos, os livros que quero escrever um dia e até sobre um livro-disco que escrevi. Mas leia. Se tem um conselho que eu posso dar para quem quer mudar de vida é esse.

Os livros salvaram minha vida. Eles podem salvar a sua também.

=> Este post te ajudou? Apoie o Glück!
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:

Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):

Veja também:
– Livros que têm servido de base para nossa investigação sobre a felicidade
-“Não dá pra preencher a vida com bares, novela e internet”
-Ensaio sobre a cegueira social