Guia sentimental e prático de Berlim

Postado em 18 de maio de 2015

por Fred Di Giacomo

Julho de 2014. Nossa temporada na Alemanha estava chegando ao fim. Fora um ano de extremo aprendizado, de muitas leituras, de viagens e de novos amigos. Tínhamos dado uma bela pausa na vida cotidiana, mas agora era hora de voltar para o Brasil. Quando eu e a Karin estávamos empacotando nossas coisas, resolvemos fazer um pequeno Guia de Berlim para nossos amigos que eventualmente fossem visitar a cidade. Muita gente já tinha nos pedido indicações sobre a capital da Alemanha e tínhamos medo de  – com a distância e o passar do tempo – esquecermos nossas principais dicas.

Com nossa listinha de programas favoritos elaborada, resolvemos publicar aqui no Glück esse pequeno guia sentimental para que nossos leitores possam desbravar a Berlim que amamos e que nos recebeu tão generosamente por um ano. Não temos a mínima pretensão de oferecer aqui o guia mais completo, nem o mais descolado. São apenas as dicas que sempre  gostamos de dar para os amigos e que nos fizeram felizes por lá entre 2013-2014. Esperamos que você goste. Cada lugarzinho que selecionamos foi cenário de uma parte importante dessa nossa história e da história desse blog. 😀

(Ah, vale lembrar que voltamos para o Brasil no segundo semestre de 2014. Antes de ir aos restaurantes indicados, dê uma checada se eles seguem abertos. Para checar a localização dos lugares é só clicar nos títulos de cada atração. O nome deste guia é explicitamente inspirado no Guia Prático, Histórico e Sentimental da cidade do Recife, de Gilberto Freyre).

BAIRROS:
Bairros legais de Berlim para passear ou se hospedar: Prenzlauer Berg, Kreuzberg, Neukölln, Friedrichshain.
Em Kreuzberg, onde moramos a maior parte do tempo que ficamos em Berlim, vale dar uma volta ao longo do canal, no final do dia, e tomar uma cerveja vendo o pôr do sol, na ponte da AdmiralStraße. É em Kreuzberg, bairro turco que hoje abriga modernos e estrangeiros, que fica a pizzaria Il Casolare, que indicamos abaixo, e o café Ahorn, onde escrevemos grande parte deste blog e do livro do Glück.

Pôr do sol no canal, Berlim

PARQUES
Mauerpark:
Talvez seja a principal atração da cidade hoje. Aos domingos, tem uma grande feirinha de pulgas, barraquinhas de comida (a salsicha Bratwurst vale muito a pena com mostarda) e diversos músicos de rua se apresentando no gramado – onde as pessoas relaxam e tomam cerveja. Costuma ser palco de um grande concurso de karaokê que reúne centenas de pessoas na plateia.

Hamburguer com mini-polvo inteiro no White Trash

Thaiwiese: Feirinha de comida tailandesa deliciosa. Foi criada, clandestinamente, por tailandesas que casaram com alemães e se mudaram para Berlim. Lá elas batem papo, petiscam e vendem suas iguarias, melhores que as dos restaurantes thai locais. O Thaiwiese acontece no Preußenpark nos meses quentes do ano.
Treptower Park: grande parque à beira rio, tem o maior monumento soviético de Berlim, com estátuas gigantes e uma “via-crúcis” esculpida em pedra que retrata como a URSS foi forçada pela Alemanha nazista a entrar na guerra. Tem também um observatório (fundado pelo tataravô da Karin) cujo telescópio já foi o maior do mundo.

A difícil arte de beber com moderação na cervejaria Hofbrauhaus

Tempelhof: parque para andar de bike e praticar esportes de vento num aeroporto abandonado que foi ocupado pela população. É um dos símbolos da ocupação urbana da cidade.

A difícil arte de beber com moderação na cervejaria Hofbrauhaus

Tiergarten: essa grande área verde é o maior parque de Berlim. E é no meio do Tiergarten que fica o famoso anjo de Berlim, destaque no filme “Asas do Desejo” de Win Wenders.

RESTAURANTES:
Il Casolare: Melhor pizza de Berlim – a de 4 queijos é a melhor que já comi na vida. O ambiente é todo decorado com pôsteres de bandas punk/hardcore e os garçons e demais funcionários são italianos (assim como o cardápio). O combinado “dolce misto” de sobremesa também é ótimo. Foi um dos lugares que mais frequentamos em nossa passagem por Berlim e fica pertinho do canal. As pizzas são individuais, mas dá pra dividir em dois.

Mama mia, pizza do Ill Casolare!

Monsieu Vuong: Comida vietnamita excelente. A entradas com camarão empanado e o café vietnamita com leite condensado são sensacionais. Os drinks também são bons e refrescantes. O ambiente pretende ser “cool e sofisticado”, mais arrumadinho que outros lugares de Berlim.
Hamy Café: é a “versão barata” do Monsieur Vuong (foi criado por um ex-cozinheiro do restaurante, aliás). Lá o esquema é meio acelerado, um fast food oriental. Como tem muita fila, você senta, come e pica a mula.
Sahara: sudanês simples, bom e barato. O Sahara Plate é a melhor opção. O molho de amendoim salgado é bem gostoso e diferente. O sanduíche de falafel também é ótimo.
Hasir: restaurante turco, com diversos pratos e algumas unidades espalhadas pela cidade. Tem nosso Dönner Kebab (“churrasco grego”) favorito, além do café típico (moca). A gente costumava ir na unidade de Schönenberger e pedir o molho de alho (knoblauch soße)

Dönner Kebab: o churrasquinho grego original

Dönner Kebab: o churrasquinho grego original


Markthalle IX: Nesse mercado do século XIX, todas quinta-feiras a partir das 17h, rola a feirinha de comida de rua mais querida de Berlimhttp://www.markthalleneun.de/
Curry 27: Eu, particularmente, não gosto de curry wurst, mas esse é um dos pratos típicos de Berlim. Se quiser tentar a salsicha de hot dog com molho curry, esse é o lugar mais famoso.

BARES:
My haus am see: Barzinho hipster. De tarde funciona como um café, de noite costuma ter música ao vivo. Tem também uma pista no subsolo.
Das hotel: Era nosso bar/balda favorito. Ficava em Kreuzberg e passei o natal lá com meu irmão. É um bar vintage apertadinho que tem bons drinks e costuma ficar lotada de hipsters. Toca música variada e às vezes tem alguma performance num espaço minúsculo que serve de palco.
Club der visionaere: Bar na beira do canal com música para dançar de noite. Cheio de modernos, mas meio blasé.
HofBräuhaus (HB): Pra quem está em Berlim, mas quer conferir o clichê alemão com canecas de cerveja de um litro, joelho de porco e música típica, esse é o lugar: http://www.hofbraeuhaus-berlin.de/ Toda vez que fomos lá, saímos bebaços e fizemos amizade com alemães.

CAFÉS:
Ahorn:
Ambiente legal, especialmente no calor quando dá pra sentar do lado de fora – de frente pro bosque do canal de Kreuzberg e embaixo da árvore que dá nome ao lugar. O chá de hortelã fresco é grande e bom, assim como o Frühstück (café da manhã). Grande parte do Glück foi escrito aqui, usando o wi-fi grátis e escutando a excelente trilha sonora. Fica colado com uma oficina de bicicletas.

Nós dois no Ahorn, nosso café favorito em Berlim

Lagari (Breakfast Bandits): Ótimo lugar para tomar café da manhã nos finais de semana. As deliciosas panquecas são o melhor prato, a jarra de limonada caseira é ótima e os atendentes são muito simpáticos. Fica em Neukölln.

PONTOS TURÍSTICOS MAIS CLICHÊ
East Side Gallery: É um grande pedaço do muro de Berlim que foi conservado e recebeu grafites e desenhos de vários artistas. Todos turistas querem tirar sua foto lá.

Meus pais se beijando no East Side Gallery

Museu Histórico Alemão (Deutsches Historisches Museum): bem interessante para entender a história da Alemanha, da sua pré-história até a queda do Muro de Berlim.
Pergamon Museum: Esse museu arqueológico impressionante tem fachadas de templos gregos, de um mercado romano e de construções babilônicas. (Ia entrar em reformas este ano, então dê uma checada , se ele está recebendo visitas.)
Memorial do Holocausto: um monumento aos judeus mortos no Holocausto composto de blocos de granito que lembram túmulos. Fica perto do Portão de Brandeburgo que é outra atração turística da cidade. Do outro lado da rua tem o monumento aos homossexuais mortos no Holocausto.
Neues Museum: É um museu pequeno, mas muito famoso por ser o lar do busto egípcio de Nefertiti, que é surpreendentemente bem conservado.

MÚSICA AO VIVO
Filarmônica de Berlim: o prédio da Filarmônica é bem impressionante e os concertos (um pouco caros) muito bons. Uma dica é ir no “almoço da filarmônica” que rola às 13h, às terça-feiras, e conta com pequenas apresentações grátis.
White Trash: Tem um biergarten e uma área fechada onde tocam bandas de rock. Cada dia da semana tem um estilo diferente. Costumava ter um hamburguer de polvo (com um mini-polvo inteiro dentro) sensacional e decoração inspirada em filmes B, mas seu cardápio foi todo reformulado.

BALADAS:
Fomos em pouquíssimas “baladas” em Berlim, mas a cidade é amada por quem gosta de ouvir música eletrônica e dançar até o dia seguinte. Dois clássicos que não fomos, mas são recomendados:
Wilden Renate: tem um labirinto no meio da balada.
Berghain: clube mais famoso de Berlim é considerado um dos melhores do mundo e já contou com Lady Gaga “atacando de DJ”. Tem uma seleção de quem pode ou não entrar na porta, de acordo com quão ˜descolado˜ você parece.

Depois de selecionar todas essa fotos e dicas só posso dizer uma coisa: PUTA MERDA, COMO FOI BOM. (E que saudades…)



Booking.com

Leia também:
-Por que Berlim é a cidade mais legal do mundo?
-O que aprendemos sobre ter uma vida simples ao fazer nossas malas para o Brasil.
-Vale a pena largar tudo em busca da felicidade?

=> Este texto te ajudou? Então apoie o Glück! 😀
Se nossa investigação e nossos textos têm sido úteis para a sua vida e  se você quer apoiar o Glück a continuar gerando conteúdo de qualidade, apoie a gente. Como?
Assine
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:




Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):