Não procure (tanto assim) a felicidade

Por Priscila Bellini

Aqui no Glück você já aprendeu como ser feliz no trabalho, viu ilustrações incríveis sobre a felicidade e ainda ficou sabendo dos ingredientes para uma vida feliz. Pensar na felicidade a toda hora parece uma boa pedida e, afinal, quem não quer falar com segurança que é feliz?  Para alguns, isso equivale a ter o carro do ano na garagem, as contas em dia e uma casa ajeitada. Para outros, uma vida mais simples é o caminho certeiro.

Só que, de acordo com uma pesquisa da Universidade da Califórnia, em Berkeley, solo americano, colocar essas cinco sílabas como foco definitivo pode ser uma furada. A autora do estudo, a psicóloga Iris Mauss, reparou que os participantes que admitiam estar tristes logo se culpavam por não ter atingido o status da tal felicidade.

Aí já viu, né? Como estar feliz era o foco absoluto dessas pessoas, falar que a vida não estava tão bem assim era confessar uma falha. “Focar propositadamente e explicitamente na felicidade pode se tornar uma característica autodestrutiva”, alerta a especialista.

+ A tristeza faz você ver outras coisas que a alegria não deixa

Longe de desencorajar quem quer viver sorrindo por aí, a investigação só aponta uma barreira nisso tudo: o desespero em manter uma só emoção constante, alegria. Isso porque, é claro, você vai ter que engolir sapo em um dia no trabalho ou vai ter que encarar um programa chato de família no domingo em que só pensava em descansar. Não tem jeito, momentos de tédio e tristeza fazem parte da vida.

=> Este post te ajudou? Apoie o Glück!
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:


Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):