Tudo que você sabia sobre beleza estava errado

Por Priscila Bellini

Não sei quando começou essa minha neura com a beleza, mas sei que me acompanhou por muitos anos — era quase uma neurose de estimação, me seguindo por aí como se eu fosse a melhor das companhias. A neura ia comigo para a mesa de jantar, enquanto eu pensava nas calorias, e se mantinha ao meu lado até mesmo nas festas de aniversário, em que o pedaço de bolo parecia um pecado capital. Ser bonita — ou melhor, se encaixar nesse pacote de medidas que te torna “bonita” — era, na minha cabeça, o passe de mágica para acabar com meus problemas. Foi só depois de anos que a ficha caiu pra mim: o que eu achava que sabia sobre a beleza estava errado. Essa procura absurda por ela, em vez de me levar à felicidade instantânea, só gerou o efeito contrário.

Pensando nisso, separei três vídeos que podem mudar como você pensa nesse assunto:

  1. A aparência não é tudo

 

E quem diz isso é a modelo inglesa Cameron Russell, que já desfilou para marcas como a Victoria’s Secret, e que conta sua experiência em 10 anos de carreira.

2) Uma epidemia de doenças da beleza

A psicóloga e pesquisadora da Universidade Northwestern, Renee Engeln, explica como o tempo em frente ao espelho e a preocupação com a imagem a todo momento atrapalha nossas vidas. Cada vez mais, jovens sofrem com distúrbios como a anorexia e a bulimia, que são doenças perigosas:

3) Como você se define?

A americana Lizzie Velásquez sofre de uma doença congênita que a impede de acumular gordura no corpo. Quando a foto dela foi divulgada nas redes, ela sofreu com comentários que a classificavam como a “mulher mais feia do mundo”. Só que, em vez de se lamentar por isso, Lizzie não se deixou definir pela aparência, nem pelos comentários alheios e passou a fazer uma série de palestras inspiradoras.

=> Este vídeo te ajudou? Apoie o Glück 🙂
Se nossa investigação e nossos textos têm sido úteis para a sua vida e  se você quer apoiar o Glück a continuar gerando conteúdo de qualidade, apoie a gente. Como?

Assine
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:



Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):

Leia também:
-11 livros que pode mudar sua vida
-Entrevista completa com KL Jay falando de livros e sonhos