Viúvas, ódio e órfãos: a tradicional família brasileira.

Mataram um policial no grande São Paulo.

Se o Brasil fosse um país sério, a morte seria investigada; os suspeitos presos e julgados. Caso se provassem culpados, seriam condenados, punidos e, quem sabe, reabilitados depois de anos atrás das grades. Como aqui vale mais a emoção que a razão, um policial foi morto na grande São Paulo e, como retaliação, mataram DEZOITO pessoas na periferia. Li no jornal que dessas 18, 12 não tinham antecedentes criminais. Bom, primeiro, vale lembrar que não existe pena de morte no Brasil. Então, mesmo que os outros 6 tivessem matado o policial, eles não deviam ter sido executados. Mesmo que existisse a pena de morte, eles teriam que ter passado por um julgamento antes da execução. Isso já é absurdo. Mas vamos considerar, hipoteticamente, que aquele pensamento do “bandido bom é bandido morto” fosse certo. E os outros 12 “inocentes”? Para “vingar” uma vida, tiraram mais 12? De gente que morreu só porque estava no lugar errado e na hora errada? Que multiplicação macabra essa, hein? Um vida vale por 12? E o que vai acontecer com a família desses 12 “inocentes”? Os filhos dessas pessoas vão crescer como? Será que eles vão ficar de boa no cantinho deles? Ou vão crescer com ódio? Será que eles vão acreditar nas instituições? Vão acreditar que se estudarem e trabalharem honestamente suas vidas vão mudar? Vão esperar alguma coisa de um Estado que mata gente pobre por ser suspeita, enquanto rico sempre dá um jeitinho de não ir pra cadeia? Ou vão achar que, não importa o que façam e quão honestos sejam, se estiverem no lugar errado na hora errada, vão ser mortos e nunca ninguém vai ligar?

O que aconteceu em Osasco não é normal.

Lá plantamos a sementinha do ódio que vai explodir na nossa cara daqui a alguns anos em um assalto no semáforo, em uma rebelião de presídio ou em uma invasão na sua casa. Gentileza gera gentileza, mas o contrário também é verdade. Na terra do olho por olho, ninguém está a salvo de ficar cego. Os que morreram deixaram viúvas, órfãos e ódio de herança.

Viúvas, ódio e órfãos. Estes sim, a tradicional família brasileira.

Leia também:
-O dia em que descobri que era preconceituoso
-O seu medo mata

=> Este texto te ajudou? Então apoie o Glück! 😀
Se nossa investigação e nossos textos têm sido úteis para a sua vida e  se você quer apoiar o Glück a continuar gerando conteúdo de qualidade, apoie a gente. Como?
Assine
A forma mais prática de nos ajudar é fazer uma assinatura mensal do Glück. Funciona como uma assinatura de revista: você paga um preço fixo, que nos ajuda a ter uma estabilidade para produzir o conteúdo que você lê aqui. Existem três valores que você pode optar escolher para assinar:




Se você quiser fazer apenas uma doação única, insira o valor desejado abaixo (dá pra pagar com PayPal ou cartão de crédito):